Literatura de Verdade

Um blog sobre livros e notícias. E notícias sobre livros.

No peito dos enclausurados também bate um coração

with one comment

Esta vai dedicada ao meu pai, o desafiante

É assim que eu imagino. E você?

Titubeei. Admito. Escrever isto aqui seria como caetanear o que há de ruim, e Djavan não profetizou essa possibilidade. Entrar assim, sem bater, é desrespeitoso, mas o desafio se impôs em tom de homenagem. O homem completa 80 anos nesta sexta-feira e sua insistência em não aparecer tem chamado tanta atenção que já se transformou em exibicionismo. João Gilberto está há tanto tempo enclausurado dentro de seu apartamento no Leblon que, ao que me consta, o imóvel ganhou ares mitológicos no bairro. Nem Caetano Veloso entra, dizem as más línguas. E, diante de tanto interesse em torno do misantropo criador da batida perfeita, pra manter o respeito, me pergunto: terá João Gilberto direito ao claustro?

O tema dava samba no Supremo Tribunal Federal, dava não? Ou seria uma bossa? O cara revoluciona a música popular brasileira e, sem mais nem menos, resolve se entrincheirar dentro de um apartamento, evitando todo e qualquer contato humano que não seja estritamente necessário. Pode, Arnaldo? Nem a locatária consegue acesso ao imóvel. Há anos. E são poucos os que ali entraram e saíram para contar o que há lá dentro. Nem o entregador de pizza… Mas a quem estou tentando enganar? Eu te entendo, João.

É preciso um certo nível de misantropia para compreender o que acontece com o criador da Bossa Nova. E um pouco de Kafka não pega mal no diagnóstico. Vai um trecho de A construção: “Será que eu esperava, como proprietário da construção, ter supremacia sobre todo aquele que se aproximava? Justamente por ser possuidor dessa grande obra suscetível é que eu permaneci inerme contra qualquer ataque mais sério. A felicidade da posse me estragou, a vulnerabilidade da construção me tornou vulnerável, os ferimentos dela me doeram como se fossem meus.”

Vou ter que confessar aqui certa inveja da condição de João Gilberto. Desprezar a celebridade é dar um passo para além dela. Mas ele foi mais longe e renegou o convívio social. Por mais que eu secretamente cultive esse desejo, falta coragem para abandonar as relações. Mais do que isso: é preciso ser elogiado, cortejado, admirado, idolatrado. Como se faz, João? Quem sabe um dia a elevação espiritual e/ou intelectual me livre desses desejos mundanos e, no momento em que eu deixar de apenas me sentir genial para de fato ser genial, enfim suma a vontade de fazer sucesso.

Foi isso que aconteceu contigo? O nirvana? O pato?, ou seja lá como você chama isso. Ou enchemos seu saco com essa idolatria vazia e postiça? Cansou de ouvir que as suas músicas mudaram vidas, acalmaram crianças e outros tipos de bobagem? Isso aí eu ainda não estou pronto pra entender. Por isso – e só por isso – vou ficar com a explicação kafkiana. Pode ser? Vou te ver como esse ser receoso de sair de dentro da fortaleza. Cuidadoso – com razão, diria John Lennon – e ressabiado contra tudo e contra todos. Eu tenho um pouco disso. Aumenta com a idade?

Sobre a pergunta capital digna de STF, eu diria que o direito ao claustro existe e é até complementar ao sucesso – afinal de contas, sem a glória, a clausura voluntária perderia todo o charme. Desde que as contas estejam devidamente pagas, certo, Belchior?

Anúncios

Written by Rodolfo Borges

Junho 10, 2011 às 11:05 am

Publicado em Crônica

Tagged with , ,

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. “Esse texto mesclando bossa e Kafka, com referências pop ao mainstream (Dejávan?! Ou deja vu?), mostra um Rodolfo tenaz e maduro”, afirma a crítica especializada. Eu vou com a crítica. Muito bom! Gostei das reflexões, comparação entre João Gilberto e Belchior (apenas um latino classe média baixa como eu) e de um certo inconformismo com os conformes de nossa sociedade. #achovalido o claustro voluntário. E todos precisamos dele um dia. Ou sempre, como o papai de Bebel, minha musa do verão. Meu trecho favorito: “Mais do que isso: é preciso ser elogiado, cortejado, admirado, idolatrado. Como se faz, João? Quem sabe um dia a elevação espiritual e/ou intelectual me livre desses desejos mundanos e, no momento em que eu deixar de apenas me sentir genial para de fato ser genial, enfim suma a vontade de fazer sucesso”. Uma sacada genial! Eu, se fosse você, sumia hoje mesmo. Vá hibernar, gênio! =PPP

    Diego Iraheta

    Julho 24, 2011 at 8:39 pm


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: