Literatura de Verdade

Um blog sobre livros e notícias. E notícias sobre livros.

O silêncio

with one comment

Há um silêncio de antes de abrir-se um telegrama urgente. Há um silêncio de um primeiro olhar de desejo. Há um silêncio trêmulo de teias ao apanhar uma mosca. E há um silêncio de confissão diante de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, completo Mário Quintana.

Não se resolve nada numa CPI. Ali, ao contrário daquelas festas em que ninguém é de ninguém, todo mundo tem dono. É como diz aquele verso bonito: “você é nosso e nós somos teu”. Daí a questão filosófica: é melhor não atender ao convite para depor ou comparecer calado?

Dada a complexidade do tema, o cronista achou por bem instaurar uma Comissão Poética de Inquérito, para deliberar sobre os constrangedores silêncios da CPI do Cachoeira. Com a palavra, o relator Carlos Drummond de Andrade: “Mesmo no silêncio e com o silêncio dialogamos”.

Cecília Meireles concorda (“Há uma doce luz no silêncio”), mas, para contraditar, Leminski cita Pessoa: “É fácil trocar as palavras, difícil é interpretar os silêncios!”. “Difícil é fotografar o silêncio”, acrescenta Manoel de Barros, aproveitando oportunamente uma questão de desordem.

Augusto dos Anjos cede à provocação e se exalta: “Ele quis falar e estava mudo!”, referindo-se à promessa de Cachoeira de colaborar no futuro. “É o silêncio que diz tudo o que a intuição não adivinha”, intervém Bandeira, na tentativa de trazer o debate para o eixo, mas é tarde demais. “Não há silêncio bastante para o meu silêncio”, dispara Hilda Hilst.

E quando a reunião se encaminhava para um sarau entre tchutchucas e tigrões, João Cabral decifra a esfinge: “Foi o amor que comeu esse silêncio”, levando todos a olhar para o fundo da sala, onde Andressa Mendonça, a musa da CPI, ouve, ao pé do ouvido, uma cantada de Vinícius de Moraes: “Ouve o silêncio que nos fala tristemente desse amor que não podemos ter”. Falar o quê?

Anúncios

Written by Rodolfo Borges

Maio 27, 2012 às 2:09 pm

Uma resposta

Subscribe to comments with RSS.

  1. Oi Rodolfo, respondendo… De nada.! No meio de tanta gente que insiste em padrão até na babaquice, eu acho mesmo que tentar fazer estilo é grande.E uma das coisas que a liberdade da internet trouxe foi a liberdade de ser escroto, isso me irrita. Como o mundo se revelou com a intenet, né? Bem, mas não tem outro jeito, assim é…Boa lida com a linguagem. abraço.Vinicius.

    Vinicius

    Maio 27, 2012 at 7:40 pm


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: